25 dezembro, 2015

O Médico de Sentimentos

Não foi algo que planejei, simplesmente aconteceu, e também não foi a primeira vez que conheci uma mulher insegura, com angústias gigantescas dentro de seu coração. Com um medo que jamais presenciei em outro alguém. Medo de sair, de viver, medo até de sorrir, e olha que ela tem belas curvas, tanto no sorriso quanto no corpo, tem um rosto que parece ter sido desenhado à mão e com muito capricho, tamanha perfeição, ao menos para meus padrões de beleza. 

Ela precisava de algo diferente, de alguém que a escutasse, lhe desse carinho e atenção, que a incentivasse a viver e também a acreditar em seus sonhos. Ela precisava de alguém pra cuidar dela, de sua autoestima e de seu coração ferido. E encontrou. Encontrou o médico de sentimentos, aquele cara que chega de mansinho, um verdadeiro cavalheiro, muito bom de cama, que a faz gozar gostoso, que a deixa de pernas bambas.

Mas esse cara às vezes acaba se envolvendo, mesmo sem querer, com suas pacientes. Acaba se apegando, um apego que jamais lhe trouxe coisas boas. Esse sentimento lhe faz sentir um desejo de ficar sozinho, vontade de ser sempre um cafajeste, de ser individualista e de cada vez mais ser livre de seus sentimentos.

Porém algo lá dentro diz que é pra não mudar, continuar sendo um bom rapaz, seguir reconstruindo e concertando feridas e corações de quem dele precisar. Afinal, este é seu jeito de ser. 

E antes de tudo, só um aviso: Este serviço, remendos de coração, é feito apenas uma vez, então quando for se entregar, procure alguém que a faça esquecer os momentos que tivemos, e que depois não me procure, nunca mais, pois estarei cuidando de outros corações feridos, já que essa é a missão desse homem diferenciado.

Texto: José Netto

30 novembro, 2015

Meu café

Tá tudo tão chato
Tão cinza
Tudo tão igual
Não são dias bons
A cabeça dói, o corpo dói, o coração dói
O homem sucumbe
A mente desanda
Não há muito a se fazer
Faltam forças, vontade
Falta você
Falta eu, principalmente
Falta querer
Enquanto isso não muda, fico com meu café

25 novembro, 2015

Não é

É verdade?
É verdade o que dizem por aí?
É verdade que ainda gosta de mim?
Que sente saudades
E que pensa em mim?
É verdade?
Que cogita
Pensa
Põe-se em dúvida
É verdade?
Que ainda é tempo
E que não acabou
Que ainda pode ser
É verdade?
É?
Não é!

20 novembro, 2015

Pula comigo



É sempre tem aquela história
Ei, calma! Vamos devagar
Não vou!
Não quero!
Deixa eu me jogar do penhasco
E me estabanar lá em baixo
Ou pula comigo

17 novembro, 2015

Receber de volta

Difícil não é amar
Isso a gente faz
Se joga, se entrega
De corpo e alma
Sem pensar no amanhã
Ou em consequências
Amar é essa loucura boa
Essa vontade de se ver
Esse pensamento no meio da noite
Difícil mesmo é ser amado
Receber de volta tudo aquilo que deu
Não existe amor sem reciprocidade
Ninguém ama sozinho

13 novembro, 2015

Compartilhar

Os últimos meses tem sido de descobertas
Descobri que te amo, sim ainda
E que talvez esse sentimento perdure por toda a eternidade
Você é importante, mesmo distante
E como descobri?
Há meses não te vejo
Não tenho sequer uma notícia sua
Não sei se estas bem, mal, triste ou feliz
Se esteve doente, se passou mal
Se viajou
Como são seus novos amigos
E mesmo assim cá estou, escrevendo
Mas descobri algo muito importante em meio a isso tudo
Querer te esquecer é tão egoísta
Mesquinho
Me vitimar é pior ainda
Não preciso apagar o passado para viver o futuro
Não preciso matar um amor para viver outro
É isso que percebo
Que se as bocas que beijei não me fizeram esquecer da sua, não há culpados nisso.
Há sim uma grande alegria em saber que já fui e fiz alguém feliz
E mais ainda, que podemos fazer isso com mais tantos
Amar e ser amados, ser e fazer feliz
Sem jamais esquecer o que passou
Sem ter medo de dizer que amou
Que amo, que amarei
Sem provocar ciúmes ou divisão
Compartilhar com com o próximo experiência boas.
Os lugares, os caminhos, os dias, as coisas
Quando é verdadeiro, dura para sempre
E assim vai ser
Eternamente o meu amor
E digo isso sem dor, feliz, de braços abertos para um novo amor.

08 junho, 2015

Uma Expectativa

É chegar em casa correndo 
Subir pro quarto 
E sozinha ficar pensando 
É esquecer de almoçar 
De se arrumar 
De sair 
É ficar olhando o celular a cada segundo 
E a cada piscada da tela 
Abrir um sorriso esperando aquela mensagem 
É bobo 
Mas é tão divertido

31 março, 2015

Eu tenho um cachorro preto

Os últimos anos têm sido de batalhas quase que diárias, de oscilações, de tristezas e alegrias, de altos e baixos, nada diferente do dia de qualquer um por aqui. E, por mais que não fosse necessário me abrir, contar, falar, expor, resolvi faze-lo.

Eu tenho depressão! Sei que para muito isto não será surpresa alguma.

Não é nada fácil conviver com isso, assim como, acredito eu, não deva ser conviver comigo. Cada dia uma surpresa, um sorriso de bom dia ou um vá à merda logo pela manhã. E ambos com a mesma intensidade que já me é peculiar.

Não escrevo para que tenham dó ou pena, não faria isso comigo mesmo. Escrevo para pedir desculpas a alguns, para dar uma explicação para outros, mas principalmente para me aliviar e chamar a atenção de muitos que possam ler estas linhas. Depressão é uma doença, não é frescura, é sério. E atinge 5% da população mundial, segundo dados da OMS. Algo em torno de 350 milhões de pessoas como eu. O mundo tá perdido! Não está e nós sabemos disso.


A depressão pode estar aí do seu lado e você nem imagina, como eu não imaginava, como minha família e amigos jamais imaginariam. Mas aconteceu e ninguém teve culpa. Culpar não é legal, já passei por isso.
Já são pelo menos dois anos desde a descoberta, ou pelo menos da oficialização. Muita coisa mudou. Muitos se foram, outros seguem ao meu lado. Ainda sinto um fardo pesado nas costas, ainda me cobro todos os dias por estar assim, mesmo sabendo que ninguém tem culpa. A responsabilidade de cada perda, que poderia ser dividida, é requerida só para mim e com um peso triplicado. É uma dor quase que insuportável e que só aumenta por me cobrar tanto todos os dias.

Cada um tem uma forma de lidar com isso, não há um remédio mágico que a fará desaparecer. É um jogo que pode durar uma vida inteira, já estive à frente no placar, já estive atrás. É não deixar se abater cada vez que o jogo vira, é buscar forças sei lá de onde e voltar à dianteira.

Vai ser pra sempre assim e talvez você mereça saber disso, talvez explique um pouco do que sou. Como disse, não faço para ter mais atenção, faço para me ajudar e aos que estão ao meu redor a conviver melhor com isso. Não é fácil e eu sei, mas um abraço, um bom dia, mesmo que no WhatsApp, faz uma diferença que vocês não fazem ideia.

Sobre a doença:
A depressão é um transtorno psiquiátrico grave e pode ocorrer em qualquer fase da vida: na infância, adolescência, maturidade e velhice. Também é importante ressaltar que é uma doença como qualquer outra, e não sinal de loucura ou irresponsabilidade. A depressão é caracterizada como uma doença incapacitante. Os quadros clínicos variam de duração e intensidade e podem ser divididos em três graus: leves, moderado e graves. O diagnóstico precoce é necessário para evitar complicações futuras e para manter uma vida saudável. A Organização Mundial de Saúde (OMS) lançou uma campanha com o objetivo de conscientizar a população sobre os problemas que pessoas depressivas podem enfrentar e para desmitificar a doença, caracterizando-a como um transtorno mental grave. Veja abaixo o vídeo com legenda em português.



24 fevereiro, 2015

Um Sono Ruim

Você deve estar aí, dormindo Sossegada Repousando tranquila Como se não houvesse um amanhã Um sono angelical invejável E eu aqui, um traste Ainda acordado e pensando em nós Em você Em tudo Isso quer dizer que você seguiu Foi ser feliz e eu fiquei Continuo aqui, esperando Já que não pode me devolver o amor que tanto sonho Devolva minha paz Devolva meu sono!!!

11 fevereiro, 2015

Saudadezinha

Queria poder dizer que te amo
Que sonho contigo
Que sou louco por você
Que ainda faço planos
Que espero você entrar pela porta do quarto num sábado de manhã
E me acordar pulando feito uma louca em cima da cama
Ou entrar por debaixo dos lençóis e ficar ali, abraçadinhos dormindo
Ou só olhando pro teto, jogando conversa fora
Trocando caricias
Fazendo cócegas, falando bobagens
Sem ligar para mais nada
Nem para o tempo, nem para a fome
Ou para aquela cara de sono e o cheio do travesseiro babado
Que só queria ficar juntinho mesmo
Queria, mas não vou
Foi só uma saudadezinha que já passou

29 janeiro, 2015

Teu cheiro

Fica longe é tão ruim
Não combina fica assim
Essa distancia é tão difícil
Tô aqui te querendo
Te desejando
Volta pra me fazer feliz
Sigo aqui
Louco pelo seu cheiro
Pelo seu beijo
Volta!!!
Poderia dar a volta ao mundo
Mas só teu cheiro me faz assim
Tô louco de saudade dele
Do beijo
De você
Volta!
Tô te querendo...

27 janeiro, 2015

Insista

Tenho um coração cansado
Magoado
Que tem medo de andar
Caminhar sozinho
De tanto que já sofreu
Apanhou mais que bateu
Um coração calejado, que não se entrega fácil
Não se deixe enganar
Não desista antes mesmo de começar
Não desista, não agora
Justo agora
Que ele estava prestes a ceder
Como sei?
Eu não sei
É que ele bate forte quando te vê
E fica apertar quando longe de você

22 janeiro, 2015

Cor de Fogo

Esse seu cabelo vermelho 
Me deixa igual
De raiva
Não por te odiar, jamais
Ainda mais a conhecendo tão pouco
O ódio é do tempo
Que me tira você
Não há sentimento pior que dizer adeus
E, depois do beijo, vê-los se distanciando
Vontade de correr atrás
Não posso, não ainda, não agora
Desde a primeira vez é assim
Te amo quando chega
Te odeio quando vai
Mas é um ódio tão pequeno, que suprimido pela saudade, passo a ama-la outra vez
E a espera para vê-los surgindo outro dia
E vindo em minha direção
Como o fogo
O mesmo que arde dentro de mim
É cedo, mas é tão bom!

20 janeiro, 2015

Mas, e nós?

E nós?
É uma pergunta simples
Para a respostas mais simples ainda
O que sobrou de nós?
O que ainda podemos ser?
Posso sonhar?
Viver, reviver...
E se não mais?
E se passou?
Talvez a resposta já exista
Tão clara, que não enxerguei
Afinal, só um quis
Tentou
Só um louco para insistir e ainda querer
Mas e nós?

15 janeiro, 2015

Cansa...

Como é ruim conviver contigo
Sempre ali, do meu lado
Todo dia
Acordo pensando em você
Durmo pensando em você
Isso quando não durmo por sua causa
É extenuante, cansa
Mas você é minha e tenho que conviver
É você ali no carro, mexendo no rádio
Colocando aquela musica que me lembra da gente
Que me coloca pra baixo
É o bom dia que não dei no trabalho
É o porteiro que não cumprimentei
É o café quente demais, doce demais, amargo demais
Frio
É você que controla meus amigos
Aqueles poucos que você me deixa ter
É você ali na curva fechada, na chuva
É você quando passa o caminhão na contramão
Já pensei em acabar com isso
Penso todo dia e você sabe
Alegra-te saber que penso mais em ti do que em mim
E mais um dia se acaba
E com ele eu também

Mais um dia triste contigo